3 métodos de extração de concentrados pra fazer em casa

 

Concentrado de maconha

 

Nos últimos anos, concentrados de cannabis tomaram conta do mercado da cannabis medicinal e recreativa ao redor do mundo. Seja shatter, budder, wax, sugar, sauce ou rosin, os produtores lá fora sempre têm uma resposta pro chamado ao consumo. Eles estão sempre melhorando seu processo pra criar alguns dos mais saborosos e mais potentes concentrados de maconha, mas não existe só um jeito certo. O que existe são uma variedade de métodos usados e todos eles possuem seus prós e contras. Esses são alguns dos testados e aprovados - talvez não os melhores, mas os acessíveis até mesmo pro pessoal do faça-você-mesmo de casa. Então senta que lá vem explicação, principalmente se ela vier com um dab pra acompanhar!

 

Extrações com etanol

Uma das mais antigas formas de extração envolve o uso do etanol. Você vai encharcar a planta em etanol e depois usar um processo de expurgo pra remover o etanol.

Nesse método é comum os produtores especializados utilizarem uma máquina chamada evaporadora rotativa, que é usada pra aquecer a solução maconha-etanol para poder evaporar o etanol depois e recolher ele de volta pra ser reaproveitado. Isso também pode ser feito aquecendo sua solução em banho-maria, mas você não vai conseguir coletar seu etanol de volta assim.

A maioria dos métodos de extração usam muita planta pra fazer um bom óleo. Dependendo da potência da cannabis, você provavelmente vai extrair de 20 a 30% de óleo do peso da planta. Então por exemplo: se você estiver extraindo de umas 15g de flor, vai fazer de 3 a 4,5g de extrato de cannabis. Já se estiver usando prensado a extração vai ser de 5 a 7%.

 

Utensílios

 

01 garrafa de álcool isopropílico (e o ideal é que seja 91%)

01 tigela

02 filtros de café

01 copo de vidro mais ou menos do tamanho do filtro de café

Forno

 

Passo 1 - Coloque a garrafa de álcool etílico e o copo da noite pro dia no freezer. O ideal é que o álcool seja isopropil 91%. 

Passo 2 - No dia seguinte, coloque a maconha no filtro de café, e use dois filtros pra prevenir caso um deles rasgue.

Passo 3 - Cozinhe os buds num forno pré-aquecido a uns 120ºC por uns 30 minutos pra decarboxilação (processo de ativação dos canabinóides). Isso vai deixar cheiro, mas se você estiver usando o resto do seu vaporizador esse passo não é necessário.

Passo 4 - Amasse a cannabis dentro do filtro de café. Vai ser fácil porque os buds vão estar secos, e depois é só colocar o filtro do café com a boca vira pra cima dentro do copo congelado. Ele vai de volta pro freezer de novo por 1 hora já que ela ainda deve estar morna do forno.

Passo 5 - Agora coloque só a quantidade suficiente pra cobrir a maconha de álcool da garrafa no copo e resfrie ele e o seu conteúdo de 30 a 60 minutos no freezer. Balance o copo e cheque a cor da solução a cada 10 minutos 

Passo 6 - Quando o álcool começar a ficar verde claro, termine esse passo e vá direto ao próximo tirando o copo do freezer

Passo 7 - Levante o filtro com cuidado e deixe o resto do álcool pingar na solução do copo. Aperte gentilmente o filtro para sair até a ultima gota. Cuidado, ele vai estar bem gelado e você não vai querer rasgar o filtro. O álcool deve estar amarelo e não verde. Coloque esse álcool dentro de uma tigela e deixe evaporar com ou sem aquecimento elétrico suave/baixo

 

 Extração concentrado álcool

 

Na foto acima estão 7 gramas do melhor da Califa dissolvido em meio copo de álcool pronto pra ser evaporado. Dá pra ver o quão claro a cor fica?

 

Ele vai acabar ficando bem grudento, mas você pode manipular ele de várias maneiras, como raspar e fumar como um hash, passar o bud nele pra fazer moonrocks (erva embebida em concentrado e polvilhada com kief. Caviar!) ou misturar com manteiga pros comestíveis. Qualquer coisa que você fizer com esse óleo não vai ter aquele sabor verde ruim, mas sim cheirar e ter gosto da essência da cannabis sem as coisas que você não quer nela.

 

Concentrado de cannabis 

 

Extração com butano

Butano é outro meio popular para extrair canabinóides de plantas de cannabis, mas é também o método mais perigoso por ser um gás muito inflamável. Nós recomendamos que você não extraia com butano se essa é a sua primeira vez. Errar qualquer coisa, por mais pequena que seja, pode ser extremamente perigoso ou danoso à saúde e o seu bem-estar. Fazendo a extração com butano você deve tomar toda e qualquer precaução possível, e Extração com butano pode ser feita em casa usando um equipamento bem simples e também é feito em larga escala, mas o processo é relativamente o mesmo. Pra começar, encha um tubo (metal, plástico ou vidro) com a planta. A qualidade do material usado afeta diretamente a qualidade e rendimento do extrato.

Cubra uma das saídas com um filtro ou uma tela de malha com furos pequenos o bastante pra prevenir que o material escape e use uma presilha pra fixar bem a tela (elas geralmente são vendidas com os tubos). Depois, jogue o butano dentro do tubo e permita que a solução cannabis-butano pingue dentro de um prato de vidro que foi colocado embaixo da saída com o filtro do seu tubo.

Nesse ponto, o butano deve ser removido da solução por segurança, e isso é obtido esquentando a solução em banho-maria. Mas atenção: o butano é um gás altamente inflamável. Na hora de remover o butano, certifique-se de que você está bem longe de qualquer faísca ou chama. Não esquente a água do banho-maria perto da solução. Esse tipo de processo é comumente feito em ambientes abertos. Depois de esquentar a água bem longe da extração, daí sim você pode colocar o refratário em banho-maria. Enquanto ele vai esquentando a solução devagar, ela vai começar a borbulhar, e isso é o gás escapando do concentrado.

O banho-maria vai rapidamente esfriar, então trocar a água frequentemente é a chave pra remover todo o butano. A geléia remanescente é resfriada e depois usada como o concentrado conhecido como shatter (“quebra”, em tradução livre).

 

 Extração concentrado butano

 

 

Extração com dióxido de carbono

Extração com fluído supercrítico (que significa qualquer substância com temperatura ou pressão acima do seu ponto crítico - opa, pera, não sabe o que é ponto crítico? Calma lá, já vamos explicar) é outro método comum usado pra extrair canabinóides da cannabis. Enquanto é possível usar outros gases na sua forma líquida, o dióxido de carbono é o mais usado nesse método.

O dióxido de carbono é o meio de extração preferido dos experts porque ele comprime além do seu ponto crítico, que é um estado alcançado a certa temperatura e pressão onde não existem mais limites de fases (sólida, líquida, gasosa), e numa temperatura bem abaixo da temperatura de desativação dos canabinóides e terpenos. Isso significa mais sabor e um efeito mais claro nas extrações derivadas dele.

Esse método de extração com dióxido de carbono usa da pressão e temperatura pra extrair os terpenos, canabinóides e cera da planta. Produtores colocam seu material num recipiente extrator e depois forçam o CO2 líquido através do recipiente.

Enquanto controlando as pressões e temperaturas, os canabinóides, terpenos e ceras vão se separar e serem coletados em várias câmaras acopladas no recipiente. Produtores sabem a que temperatura e pressão cada terpeno e canabinóide se separam da solução homogênea da planta. Desse jeito eles são capazes de visar certos sabores e “tipos de efeito” produzidos pela genética que eles estão usando.

 

Extração concentrado dióxido carbono

 

Existem muitos métodos usados com sucesso pra criar extratos de cannabis - decidir qual você irá usar vai depender do seu resultado desejado e como você planeja usar seus extratos. Mantenha em mente que ao extrair cannabis, você está concentrando todo os químicos ruins dos método usados no seu produto final. Isso significa que você precisa ter certeza que vai remover completamente todos os resquícios e ter também ter ciência dos químicos que foram usados no cultivo da planta se existentes. Segurança é a chave!

 

QUER SABER MAIS? FOLLOW US!
FACEBOOK.COM/CULTIVAGROWSHOP / INSTAGRAM.COM/CULTIVAGROWSHOP  

 

Disclaimer: A Cultiva Growshop não se responsabiliza pelo uso indevido dessas informações, que são fabricadas para uso exclusivo de pessoas que possuem o salvo conduto para plantar cannabis e para empresas e associações também com autorização.